Português Italian English Spanish

Dezembro tem eclipse, chuva de meteoros e 'Estrela de Belém' que não é vista há 800 anos

Dezembro tem eclipse, chuva de meteoros e 'Estrela de Belém' que não é vista há 800 anos


Mês terá vários fenômenos astronômicos raros que podem ser observados

Aquela que é considerada a "Estrela de Belém" vai ser vista no céu este mês, 800 anos depois. Os planetas Júpiter e Saturno, geralmente separados no céu noturno, vão estar tão próximos um do outro no final deste mês. O fenômeno, que cria uma espécie de "planeta duplo", não era visível desde março de 1226, ou seja, desde a Idade Média.

De acordo com o Washington Post, os dois planetas aproximaram-se novamente em 1623, mas o episódio não foi visível da Terra devido ao brilho do sol.

O fenômeno, conhecido como "conjunção", ocorre quando há o alinhamento de dois objetos celestes. Neste caso, o evento é designado de "grande conjunção", uma vez que envolve os dois maiores planetas (conhecidos) da nossa galáxia.

Os corpos celestes estarão separados por menos de um terço da largura da lua já no próximo dia 21 de dezembro, mas continuarão, na verdade, separados por 450 milhões de milhas no espaço.

Os dois planetas ficam alinhados uma vez a cada duas décadas, uma vez que Júpiter leva aproximadamente 12 anos a dar uma volta ao Sol contra os 30 anos de Saturno.

A conjunção de Júpiter e Saturno é também conhecida como "Estrela de Belém". A conclusão foi do astrónomo alemão Johannes Kepler, no ano de 1614. Há ainda teorias que sugerem que a estrela que "guiou" os Três Reis Magos resulte de uma conjunção tripla de Júpiter, Saturno e Vênus.

A grande conjunção "vai ser visível a olho nu", sem que sejam necessários instrumentos sofisticados. De acordo com projeções a próxima conjunção será visível em 2080.

Dezembro é mês de vários eventos astronômicos raros

Vai valer a pena dar uma esticada na noite do próximo domingo, 13 de dezembro: na madrugada para o dia 14, será possível observar em todo o Brasil uma densa chuva de meteoros geminídeas – segundo os astrônomos, uma das melhores deste ano de 2020.

Poucas horas depois, após o meio-dia de 14 de dezembro, para quem está na Região Sul, será possível acompanhar um eclipse parcial do sol: ele ficará parcialmente encoberto pela lua durante quase duas horas.

Já no dia 21 de dezembro ocorrerá o ápice da conjunção entre os dois maiores planetas do sistema solar: Júpiter e Saturno, já visíveis a oeste desde o início de dezembro, estarão em seu ponto máximo de aproximação relativa.