Português Italian English Spanish

Jovem acusa Enfermeiro do Hospital Ignácio de Proença na Mooca de Assédio Sexual

Jovem acusa Enfermeiro do Hospital Ignácio de Proença na Mooca de Assédio Sexual

Data de Publicação: 7 de novembro de 2020 18:06:00

No dia 3 de novembro, por volta de 16:00h, a jovem Ana Vitória e seu namorado que estavam suspeitando de terem contraído o COVID-19, foram até o Hospital Ignácio de Proença Gouvea, Antigo João XXIII, para passarem por atendimento médico.

A estudante após passar em consulta com o médico precisou tomar 2 injeções e o enfermeiro nesse momento, segundo a vítima, teria fechado a porta da sala de medicação e pedido para que ela abaixasse a calça e tirasse a calcinha para poder ver onde estava o músculo direito, antes de aplicar a injeção.

A jovem se recusou e disse que o procedimento estava errado. Tendo pedido para que uma enfermeira aplicasse a injeção ao invés dele. “Fui no hospital João 23 localizado na Mooca, fui com meu namorado porque nós não estávamos nos sentindo muito bem, chegamos, passamos pela recepção, aguardamos o atendimento e fomos atendidos por um médico que mandou eu fazer o teste rápido direto e meu namorado um raio-x e em seguida o teste rápido, fizemos, e os resultados deram negativos e depois retornarmos ao médico, ele receitou remédio pro meu namorado e pediu para eu fazer um raio-x, meu namorado ficou me acompanhando, fomos fazer meu raio-x e voltamos pra eu mostrar pro médico, chegando lá o médico me receitou duas injeções e pediu pra aguardar. E, enquanto aguardávamos trocou o plantão, o médico foi embora e veio um enfermeiro e pediu para acompanharmos ele, chegamos na recepção ele pediu pra esperar lá, em seguida ele me chamou e eu o acompanhei até a sala de medição, a sala era bem pequena, nós entramos e ele fechou a porta, começou a explicar como seria aplicado os medicamentos (não me lembro exatamente dos remédios porque não foi muito explicado, acho que um era dipirona e o outro não faço ideia). Ele falou que teria que aplicar nas nádegas, como já tomei injeção, sabia como funcionava, abaixei só um pouco a parte onde seria aplicada, sem tirar a calça, nisso ele falou que eu teria que tirar a calça e tirar a calcinha porque ele precisava achar o músculo onde aplicaria, inclusive ele tentou vir pra cima de mim tentando tirar minha jaqueta falando que atrapalhava até mais que a calça, eu na hora levantei o braço me esquivando dele e falei que ele não podia encostar a mão em mim, mandei ele sair de perto de mim, eu me senti muito constrangida, muito coagida na situação, fiquei com muito medo, mudei o tom com ele e falei que queria que ele chamasse uma profissional de preferência mulher pra aplicar porque ele não iria aplicar em mim mais, e eu jamais tiraria a roupa, eu sabia que aquilo era maldade, não foi nem um pouco legal ter que passar por isso, foi ABUSO!!!”, relatou a jovem nas redes sociais.

Ainda segundo a Ana, “esperei a enfermeira chegar para aplicar a medicação porque já estava pronta pra aplicar, ela chegou, eu perguntei pra ela se eu precisava tirar minha calça e minha calcinha, ela me disse que não, que só precisava baixar um pouco onde seria aplicado sem nem precisar tirar a calça, como sempre acontece e como tem que ser, eu nunca precisei tirar a roupa pra aplicação de medicação e nunca vou tirar, esse enfermeiro vir e falar que tenho que tirar a roupa, e tentar tirar minha blusa é um ABSURDO”.

Também deixa claro que “fui medicada, sai da sala e fui direto contar pro meu namorado, contei pra ele tudo o que aconteceu e fomos tirar satisfação com o médico, nós não queiramos confusão, mas assim que o "enfermeiro" nos viu começou a falar super alterado, confrontar meu namorado, perguntando o que ele era meu, quantos anos eu tinha, se eu não era maior de idade, disse que só estava lá fazendo o trabalho dele, chegou até falar "ela baixa calcinha pra quem ela quiser", nisso todo mundo estava vendo o que estava acontecendo, o supervisor dele tinha já chego, os seguranças, pacientes, acompanhantes de pacientes...enfim, comecei a explicar o que aconteceu pro supervisor, o "enfermeiro" óbvio negou tudo, e em seguida o supervisor pediu para acompanhar ele, pra ele escrever o que tinha acontecido, o "enfermeiro" foi seguindo o mesmo corredor dizendo frases como "você não sabe quem eu sou", "pode vim você e seu namorado", "abaixa a calcinha pra quem você quiser", "otária", "trouxa", falando num tom BEM agressivo, e eu falei que ele não iria falar assim comigo, pedi pra ele me respeitar, que ele sabia o que ele tinha feito por isso estava agindo daquele jeito, eu saí do lugar e tiraram o "enfermeiro" do lugar, ele saiu me xingando, fui ficar onde meu namorado estava e o supervisor veio para que então ele escrevesse sobre o que aconteceu, chegamos numa sala expliquei a situação pra ele, e o próprio disse: você NÃO precisa tirar a roupa pra tomar medicação, qualquer pessoa que pedir isso é na sacanagem mesmo.

Após a confusão que se instaurou no hospital, a Guarda Civil Metropolitana esteve no local e a vítima foi orientada a ir até a Delegacia, onde foi feito o Boletim de Ocorrência.

“Depois de relatar pro supervisor o que aconteceu, em seguida saímos e descemos pra ir ao banheiro, eu estava lavando a mão e chegou a Thais, uma mulher que disse que viu tudo o que aconteceu no corredor com o médico e disse que concordava com nós, que tinha que falar mesmo, o marido dela estava presente também, e orientou para fazer uma ligação para PM e chamar uma viatura, meu namorado ligou, explicou o que aconteceu e chamou a viatura, fomos esperar na calçada, até que chegou a viatura da GCM para nos atendermos, anotaram nossos dados, os dados da testemunha, e procurou pelo "enfermeiro", chegou o supervisor e mais um homem que trabalhava na unidade, e pediram pra chamar o "enfermeiro" para acompanhar tudo, ele chegou só depois e daí fomos para a delegacia, chegando lá começamos a dar entrada no B.O, a delegada meu chamou na sala para que eu desse minha versão e a verdade sobre os fatos, contei tudo o que aconteceu, ela disse que ia terminar de escrever e dar pra eu ler e confirmar se estava tudo certo, fiquei esperando na entrada, quando ficou pronto eu li e pedi pra arrumar e frisar que ele pediu pra eu tirar a roupa, foi arrumado, e depois fomos liberados, agora estou aguardando contato por e-mail, e quero ajuda pra divulgar essa história, isso não pode ficar impune, o que ele fez comigo foi ABUSO e ele tem que lidar com as consequências disso, precisa ter justiça!! Ele não pode trabalhar com mulheres e nem com ninguém, totalmente sem respeito, podia acontecer coisa pior, ele pode tentar fazer de novo, isso não pode acontecer mais!!”, finaliza a vítima.

O Jornal da Mooca tentou entrar em contato com a com a Secretaria Municipal de Saúde e até o momento do fechamento da matéria não obtivemos o retorno.

 

 

 

 

  Seja o primeiro a comentar!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Envie seu comentário preenchendo os campos abaixo

Nome
E-mail
Localização
Comentário