Português Italian English Spanish

26 de Abril dia de Nossa Senhora do Bom Conselho

26 de Abril dia de Nossa Senhora do Bom Conselho

Data de Publicação: 26 de abril de 2020 15:50:00

Nossa Senhora do  Bom Conselho e suas devoções .

A poucos quilômetros da cidade de Roma, fica Genazzano – uma cidade rica em história e abençoada com a presença de uma pintura milagrosa da Virgem Santíssima que tem uma história extraordinária.

As origens de Genazzano remontam aos tempos dos imperadores romanos. Por causa da sua proximidade com Roma, a cidade foi escolhida por muitos patrícios e cortesãos imperiais como um local para suas casas de campo. Os vastos jardins que circundam essas moradias frequentemente serviram como palco de festas perversas, jogos e rituais pagãos em honra dos deuses a quem os romanos atribuíam a fertilidade de seus campos.

Uma dessas celebrações era realizada todo dia 25 de abril em honra da deusa Flora ou Vênus. Para esse evento, pessoas de todas as classes – homens livres e escravos, patrícios e plebeus – se reuniam para uma grande festa. Essa prática gradualmente se dissolveu e os templos caíram em ruinas enquanto o sopro vivificador do Cristianismo regenerava os povos da Europa.

No século III, foi dada uma ordem para construir um santuário dedicado à Mãe de Deus sob a terna invocação de Mãe do Bom Conselho, sobre as ruínas dos templos romanos.

Com o passar dos anos, a cidade se tornou mais populosa e o santuário cresceu em fama. Durante a Idade Média, os franciscanos e os agostinianos fundaram mosteiros nas proximidades. Com o tempo, a igreja primitiva erigida em honra da Mãe do Bom Conselho começou a mostrar sinais de degradação. Além disso, como o santuário era pequeno, os fiéis construíram igrejas maiores e mais ricas para suas solenes funções.

Em 1356, por volta de um século antes da aparição da pintura milagrosa que introduziria Genazzano nos anais das maravilhas da Igreja, o príncipe Pietro Giordan Colonna, cuja família adquiriu senhorio na cidade, atribuiu a Igreja mais antiga da cidade e sua paróquia aos cuidados dos Eremitas de Santo Agostinho. Os fiéis teriam, assim, a assistência pastoral necessária, e reparos poderiam ser feitos na Igreja antiga.

Apesar das orações dos fiéis terem se intensificado, as dificuldades financeiras impediram a restauração urgente e necessária do antigo templo. Mas a Mãe que dá sábios conselhos em todas as circunstâncias e atentamente provê as necessidades dos homens, escolheu uma terceira-agostiniana, Petruccia de Nocera, para realizar um prodígio sobrenatural que traria a tão desejada restauração.

Petruccia tinha recebido uma modesta fortuna depois da morte do seu marido em 1436. Vivendo sozinha, ela dedicou a maior parte do seu tempo às orações e aos serviços na igreja da Mãe do Bom Conselho. Entristeceu-a ver o estado deplorável das instalações sagradas e ela rezou fervorosamente para sua restauração. Finalmente, ela resolveu tomar a iniciativa. Depois de obter permissão dos frades, ela doou seus bens para iniciar a restauração na esperança de que outros a ajudariam a concluí-la uma vez que havia começado.

Um plano foi traçado para a construção de uma magnífica igreja. No entanto, uma vez que a ardorosa tarefa havia começado, Petruccia, que já tinha 80 anos de idade, notou que sua generosa oferta foi escassamente suficiente para completar a primeira fase da nova construção. Para piorar a situação, ninguém veio ajudá-la.

Para seu espanto, a construção mal havia subido 1 metro, quando a construção parou devido à falta de recursos. Seus amigos e vizinhos começaram a ridicularizá-la. Detratores a acusaram de imprudência. Outros severamente repreenderam-na em público. Para todos eles ela dizia: “Meus queridos filhos, não dêem tanta importância para essa aparente desgraça. Eu lhes asseguro que antes da minha morte a Santíssima Virgem e nosso santo pai Agostinho finalizarão a igreja começada por mim”.

Em 25 de abril de 1467, o dia da festa do patrono da cidade, São Marcos, uma solene celebração foi iniciada com a missa. Era sábado, a multidão começou a se reunir em frente à Igreja da Mãe do Bom Conselho. A única nota discrepante na celebração foi o trabalho inacabado de Petruccia.

Por volta das quatro da tarde, todos ouviram os acordes de uma bela melodia que parecia vir do céu. As pessoas olharam para as torres da igreja e viram uma nuvem branca que brilhava com milhares de raios luminosos e que, gradualmente, se aproximava da multidão estupefata ao som de uma melodia excepcionalmente bela. A nuvem desceu na Igreja da Mãe do Bom Conselho e pousou sobre a parede da capela inacabada de São Biagio, que Petruccia havia começado.

De repente, os sinos da antiga torre começaram a tocar por si. Os outros sinos da torre também tocaram milagrosamente em uníssono. Os raios que emanavam da nuvenzinha se apagaram e a própria nuvem gradualmente desapareceu, revelando um belo objeto, sob o olhar encantado dos espectadores. Era uma pintura que representava Nossa Senhora ternamente segurando seu Divino Filho nos seus braços. Quase imediatamente, a Virgem Maria começou a curar os doentes e conceder consolações incontáveis, cujas memórias foram gravadas para a posteridade pelas autoridades eclesiásticas locais.

As noticias da pintura e seus milagres se espalharam pela província e além, atraindo as multidões. Algumas cidades formaram procissões entusiásticas para ver a imagem que o povo chamou de Madonna do Paraíso por causa da sua celestial entrada na cidade. Numerosas esmolas foram doadas como resposta à confiança inabalável que Nossa Senhora inspirou em Petruccia.

Em meio ao entusiasmo geral causado pela pintura, Nossa Senhora quis divulgar a verdadeira origem do maravilhoso afresco para seus devotos. Dois estrangeiros, cujos nomes eram Giorgio e De Sclavis, entraram na cidade no meio de um grupo de peregrinos que vinham de Roma. Eles vestiam roupas estranhas e falaram uma língua estrangeira, dizendo que eles haviam chegado em Roma no início daquele ano a partir da Albânia. Enquanto a maioria das pessoas se recusava a acreditar nos dois estrangeiros, a história deles teve um significado especial para os habitantes de Genazzano.

Jorge Castriota, melhor conhecido como Skanderberg

Em Janeiro de 1467 morreu o último grande líder albanês, Jorge Castriota, melhor conhecido como Skanderbeg. Elevado por um chefe albanês, ele se colocou à frente do seu próprio povo.

Posteriormente, Skanderbeg infligiu impressionantes derrotas ao exército turco e ocupou fortalezas por toda a Albânia.

  Seja o primeiro a comentar!

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Envie seu comentário preenchendo os campos abaixo

Nome
E-mail
Localização
Comentário